c-trino

A HackerSchool (HS) prepara-se para apresentar um dos seus primeiros produtos ao público, o c-trino, uma série de placas de expansão para o Arduino com software e hardware open-source. O projecto foi criado no seio desta comunidade que promove o desenvolvimento vocacional e o empreendedorismo de base tecnológica em meio universitário.

A execução é de Rodrigo Capeleiro e Pedro Roque, alunos do 2º ano de MEEC, com um grande contributo do designer Pedro Gomes, de renome internacional, que comprovou as vantagens de juntar design e tecnologia. A ideia começou pela criação de uma placa semelhante ao Arduino, mas a equipa achou que não seria inovador, e optaram então pela criação de placas compatíveis com o mesmo, sendo o primeiro foco o da expansão analógica – leitura de valores de tensão analógicos.

Duas palavras podem resumir o c-trino: facilidade – pois, o utilizador que sabe funcionar com o Arduino saberá funcionar com o c-trino – e versatilidade – pela possibilidade de ligar múltiplas placas da série c-trino, bem como colocar outros Arduinos na cadeia, criando uma autêntica “rede” de electrónica.

Depois do desenvolvimento do hardware, feito durante o estágio de verão da HS – o LX Reactor, a equipa entrou agora numa longa fase de programação do software e testes, de forma a ter um produto estável. Tal passa pelo desenvolvimento da placa que vai ser integrada no Arduino, com o grupo já a pensar na possibilidade de estender o c-trino ao Raspberry Pi.

As aplicações para este produto incluem a domótica, prototipagem, do it yourself e, como referido, a possibilidade de construir uma rede de Arduinos.

De referir ainda que este artigo sobre o c-trino pode também ser lido no Diferencial de 29 de Outubro de 2013, na secção de “Espaço Tecnológico”.

[LXR Projects] c-trino

Hoje apresentamos o c-trino, um projecto do LX Reactor executado pelo Rodrigo Capeleiro e Pedro Roque, alunos do 1º ano de MEEC, com um grande contributo do Pedro Gomes. Esta parceria foi das que melhor exmplificou, durante o LX Reactor, as grandes vantagens de juntar um grande design com a tecnologia. Este projecto ganhou o prémio de melhor execução no LX Reactor!

IMG_20130909_085002

O c-trino é uma série de placas de expansão para o Arduino com software e hardware open-source criados pela HackerSchool. Duas palavras podem resumir o c-trino: facilidade – pois, para o utilizador, cada pino de expansão é acedido da mesma forma que qualquer pino do Arduino – e versatilidade – pela possibilidade de ligar múltiplas placas da série c-trino, bem como colocar outros Arduinos na cadeia, criando uma autêntica “rede” de electrónica. A primeira placa a ser desenvolvida consiste numa expansão de entradas analógicas, que permita ao utilizador ler cada um dos 16 pinos da placa com a mesma facilidade com que é chamada a função “AnalogRead” no Arduino.

Após o desenvolvimento do hardware durante o LX Reactor, segue-se agora uma longa fase de desenvolvimento do software e testes, de forma a ter um produto estável. Num futuro próximo, o grupo tenciona desenvolver mais 3 placas: uma placa de expansão digital, PWM e de extensão do alcance, para além de tencionar portar tudo isto para RaspberryPi.

[LXR Projects] Energy Brick

O próximo projecto que apresentamos do LX Reactor é o Energy Brick, projecto de Tiago Edgar, aluno de Redes de Comunicações, no âmbito da sua tese de mestrado subordinada ao tema “EnergyBrick: The smart ultra-low cost energy meter for the Internet of Things” orientada pelo Prof. Paulo Carreira. O projecto conta ainda com a colaboração do Miguel Pedroso.

LX Reactor final product

O Energy Brick é um medidor energético de baixo custo que permite fazer uma leitura global dos gastos de electricidade de um edifício através da instalação de vários dispositivos, visando a poupança energética. Assim, consegue-se descobrir onde se gasta mais energia, quer por áreas ou salas, de que se pode concluir, por análise de resultados reportados pelo sistema, se esse consumo é normal ou se há alguma anomalia registada (por exemplo um radiador ou luzes que ficaram ligadas numa sala onde não se encontra ninguém). O EnergyBrick será testado no campus do IST do TagusPark.